Exercício na gravidez contribuindo para filhos mais fisicamente ativos.
17 de agosto de 2017 - Vera Perino

Olha aí que estudo interessante realizado pelos pesquisadores do Baylor College of Medicine.

Os pesquisadores descobriram que os ratos fêmeas que se exercitaram voluntariamente durante a gravidez possuem descendentes que são mais fisicamente ativos como adultos. A pesquisa aparece no The FASEB Journal.

Dr. Robert A. Waterland, professor associado de pediatria – nutrição e de genética molecular e humana no USDA / ARS Children’s Nutrition Research Center em Baylor e autor principal deste trabalho, observou que, embora sua pesquisa estudasse ratos, “vários estudos humanos têm resultados consistentes com os nossos”.

Por exemplo, estudos observacionais descobriram que as mulheres que são fisicamente ativas quando estão grávidas têm filhos que tendem a ser mais fisicamente ativos. Mas esses resultados podem ser atribuídos à influência das mães sobre as crianças depois que elas nasceram. Ou, as mães poderiam passar para a sua prole uma predisposição genética para serem fisicamente ativas.

Os pesquisadores descobriram que os ratos nascidos de mães que se exercitaram durante a gravidez eram cerca de 50% mais fisicamente ativos do que aqueles que haviam nascido de mães que não faziam exercício. Outro fator importante foi o aumento da atividade que persistiu na idade adulta, e que melhorou a capacidade destes de perder gordura durante um programa de exercícios voluntários de três semanas.

Este estudo apoia a ideia de que o exercício durante a gravidez influencia o desenvolvimento do cérebro fetal, tornando a prole a ser mais fisicamente ativa ao longo da vida. “Embora a maioria das pessoas assuma que a tendência de um indivíduo a ser fisicamente ativo é determinada pela genética, nossos resultados mostram claramente que o meio ambiente pode desempenhar um papel importante durante o desenvolvimento fetal”, disse Waterland.

Se um efeito semelhante pode ser confirmado em pessoas, ele poderia representar uma estratégia eficaz para contrariar a atual epidemia mundial de inatividade física e obesidade.

O aumento da atividade física tem implicações importantes para a saúde. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a atividade física insuficiente é um dos 10 principais fatores de risco para a morte em todo o mundo.

Vários grupos de especialistas, incluindo o American College of Obstetricians and Gynecologists, já recomendam que, na ausência de complicações, as mulheres grávidas devem fazer 30 minutos ou mais de exercício moderado por dia. “Eu acho que nossos resultados oferecem uma mensagem muito positiva”, disse Waterland. “Se as mães grávidas souberem que o exercício não é apenas bom para seus bebês, mas que também pode oferecer benefícios ao longo da vida acho que estarão mais motivadas a mudar os hábitos de atividade física”.

Também contribuíram para este trabalho, Jesse D. Eclarinal, Shaoyu Zhu, Maria S. Baker, Danthasinghe B. Piyarathna, Cristian Coarfa e Marta L. Fiorotto, todos de Baylor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>